Logon

Newsletter

No Radar - 13/02/2019

Por que o underwriting é essencial na hora de contratar seu seguro de vida?

Análise de risco é feita pela seguradora antes do fechamento do contrato

Executivos realizam underwriting (análise de risco) para contratação   de seguro de vida

Um dos aspectos mais importantes na hora de escolher o seu seguro de vida é o processo anterior à contratação, chamado underwriting (risco de subscrição).

Trata-se da análise prévia de risco feita pela seguradora sobre o cliente. Na prática, a empresa solicita uma série de informações para avaliar o plano de seguro de vida para o segurado e definir seu preço. Dependendo dessa avaliação, quem está buscando a proteção pode ou não ser aceito.

Underwriting: como funciona?

No underwriting, as seguradoras reúnem informações para analisar em função de alguns critérios principais, como:

  • Histórico de saúde;
  • Histórico familiar;
  • Histórico financeiro (para avaliar a capacidade do cliente de arcar com o seguro);
  • Profissão;
  • Hobbies, etc.

A análise de underwriting é dividida em duas categorias: médica, relacionada à saúde (do cliente e seus familiares mais próximos), e não médica, ligada à vida pessoal.

Na avaliação médica, é possível verificar se o cliente apresenta um risco estatisticamente mais elevado do que a média da população – que pode incluir, por exemplo, um histórico familiar de câncer, alterações no sangue ou a prática regular de esportes radicais.

Dependendo do capital segurado, além de solicitar exames ao cliente, a própria seguradora pode pagar por exames adicionais, a fim de realmente avaliar com quais riscos está lidando.

Benefícios e garantias do underwriting

No passado, qualquer risco acima da média da sociedade era um empecilho para se ter um seguro de vida.

Hoje, seguradoras como a Prudential do Brasil têm uma tabela de underwriting na qual o cliente pode ser classificado em até nove classes de risco. A tabela vai do nível padrão (standard) até o nível H (risco agravado), para atender a uma ampla gama de clientes que provavelmente teriam seus riscos recusados sem essa flexibilização.

O underwriting também garante que todos os riscos sejam detalhados no contrato – o que reduz consideravelmente as chances de que a seguradora não pague o benefício, ou alegue algum problema no futuro.

Quando o cliente é sincero e responde às perguntas de boa-fé, não tem como ficar sem o benefício contratado na apólice. A seguradora só pode se isentar do pagamento caso venha a descobrir que alguma informação relevante, de conhecimento prévio do cliente, foi omitida no momento da contratação.

Por fim, para cada cobertura (invalidez, doenças graves, morte, entre outras), existe um documento contratual conhecido como condições gerais. Além de esclarecer os direitos e deveres do segurado, as condições gerais descrevem o que faz ou não parte da cobertura, independentemente do nível de risco e do contrato firmado.

É sempre aconselhável que o segurado leia esse documento para saber exatamente o que está coberto pela seguradora – e não assumir simplesmente que, ao contratar o seguro de vida, qualquer tipo de sinistro estará incluso.

Fonte: INFOMONEY – Especiais Seguro de Vida